Minimundo

24 12 2007

O Demônio da Coca-cola

— Eu sou o demônio da Coca-cola! Filho do Líquido Negro, Senhor de Todas as Bolhinhas de Gás! Arauto do Prazer Gaseificado!
— Eu sempre achei que era bom demais pra ser verdade — disse um dos rapazes, colocando o copo da lado.
— Eu disse pra não esfregar a garrafa — falou o outro.
O Demônio abreu os braços, surpeso.
— Mas vocês têm direito a três pedidos!
— Opa — disse o rapaz, pegando o copo de volta.

Bernardo Moraes, Minimundo (Colleção 2000, Instituto Estadual do Livro)